• 20.09.2011

DAD.FBAUP

TOQUE, SINTA

Superfícies preparadas para receber informações visuais ou tácteis através de interferências, modificações e sobreposições.

As três peças apresentadas mostram algumas potencialidades das Tecnologias Sensoriais em Superfícies, através dos chamados materiais “inteligentes” que respondem aos estímulos ambientais, promovendo acabamentos com valores sensoriais aos objectos.

Com o manual de instruções exposto junto aos objectos é possível tocar e sentir as peças e compreender o processo:

Como aquecer e tocar um coração

1º É preciso calor

2º É preciso entrar no coração

3º É preciso tocar o coração

4º É preciso sentir o coração

As peças mudam de cor com o toque ou com a utilização de instrumentos que emitam calor. Este processo é reversível, retornando a cor original. O aroma também foi adicionado às peças, através de tecnologias utilizadas em processos de estamparia, quanto mais se toca, mas exala o aroma.

Ao tomar contacto com os objectos, a superfície corporal experimenta sensações, e modifica a fisionomia dos objectos. O desenho, a cor, a textura, e o brilho se recriam em cada depressão, convexidade, concavidade, articulações e movimentos. A superfície dos objectos se define em contacto com o calor ou com o corpo: indica caminhos, cria vestígios e cicatrizes, efeitos de luz e sombra, e assim constrói signos que se associam ao processo íntimo de construção das peças. Revela e se esconde entre o táctil e o visual entre o exposto e o imperceptível.

Toque, Sinta faz parte de um processo de perda e abandono de corações e sentimentos. A mudança de cor indica a mudança de sensação. Do quente ao frio. Do frio ao quente.

Sugere uma reflexão sobre o amor e os sentimentos que os rodeiam. Cicatrizes, Cores, Dores, Sensações, Formas, Caminhos, Luzes, Percepções.

“A alegria é a coisa mais seria da vida”

Da intimidade da construção dos objectos à exposição no Museu, passando por aquilo que sente, ou que toca, partimos para o “abandono” dos corações.

O “abandono” das peças será a próxima fase deste processo, com o qual se pretende interagir com pessoas em lugares públicos nas cidades de Guimarães, Porto e Lisboa. Estes actos serão registados através de vídeo e fotografia, e possíveis trocas de mensagens.

“Um silêncio potencialmente cheio de tudo o que dele pode surgir”

Gabriela Jovim

Set. 2011